o homem mais pequeno do mundo

o mais pequeno homem é capaz de amar
até mesmo ele
porque o amor não foi feito apenas para os grandes tamanhos
e não é preciso que se suba aos tamancos para amar

um senhor já muito velho e muito tímido
amava os seus filhos e os filhos de seus filhos
e os animais cuidados pelos netos também
o amor é feito seiva elaborada na árvore genealógica quero dizer

o tamanho do amor depende de quem ama
uma vez me disse assim alguém
e as pessoas incapazes de amar
o fazem porque já desistiram de tudo

não amar é desistir de todas as coisas do mundo
e todas as coisas do mundo são muitas coisas pensem só
então não amar é fracassar a esperança
e é insuportável desesperançar-se

outro dia me deparei com dores insuportáveis pelos flancos do corpo
como se me pesasse a alma para cada lado
era eu feito um pêndulo a andar pela casa
e abatia-me a possibilidade de ser diagnosticado com alguma espécie de mal incurável

antes de mais nada
de apelar a curas infalíveis
ou de confessar ao pároco tudo o que em mim não prestava
optei por avaliar minuciosamente a minha estranha enfermidade

recorri aos livros dos mais diversos
às meditações e ao confinamento do corpo
para que não se partisse de súbito em duas ou mais partes
e fizesse-me um homem fracionado

mas nada nenhuma coisa adiantou
falhei em todos os esforços para justificar o que me pesava
a não ser por um fato há muito por mim desconsiderado
o amor

o amor é o que me pesa
que me amputa o fôlego
que demanda todo o espaço em corpo
para o oco da pele ocupar

e por que tanto espaço
se o amor é num frasco
um remédio à alma
que se deve tomar

bem sei e explico
que o amor que há comigo
tão infame e falido
está por pouco de se alterar

não tarda tornar-se-á mais expandido
e junto comigo
com este corpo muito magro exaurido e oblíquo
há de aumentar

até lá sou um homem mínimo
onde está tudo aquilo que nunca se deve guardar
amor e silêncio
o homem mais pequeno do mundo